quarta-feira, 23 de abril de 2008


COISAS DIFERENTES

Gilmar Inácio estava esparramado na cama, assistindo a final do campeonato da 2° divisão, quando a sua esposa, Emillyn Renata, entrou sorrateira como uma gata siamesa e com a voz muito doce falou:

- Amor... Benzoca... Meu Gilmarzão Grandão... O que você acha meu bizunguinho machão se nós... Hum... Esquentássemos nossa “pegada” com...

As antenas de Gilmar Inácio se atentaram as palavras consideravelmente. Seu desconfiometro gritava em alerta “sexo, sexo, sexo!” e por isso valeria a pena deixar de olhar o futebol.

- Você sabe... Coisas diferentes.

Pronto, Emillyn Renata, havia pronunciado as palavras mágicas. As cenas se sucederam loucas e desenfreadas em sua mente. Como por exemplo, um “canguru perneta”, muitas mulheres se beijando, casa de swing, mulherada se beijando, boquete no carro em movimento, a muguegaseda se pegando gostoso moleque!

Ele deu um sorriso rasgado a esposa amada. Isso sim era mulher! Mulher, mãe, companheira e ainda praticante de “coisas diferentes”!

- Coisas diferentes como xuxunguinha? – Claro que Gilmar Inácio não perderia a oportunidade de perguntar detalhes da tal “coisa diferente”. Vai que Emillyn Renata estava pensando em convidar a vizinha do 153 para uma festinha. “ – Ah vizinha do 153!”.

- Então, eu li numa revista...

Gilmar Inácio A D O R A V A essas revistas femininas, sempre deixavam sua mulher empolgada com aquelas famosas matérias: “ Aprenda chupar em dez passos”.
- Que a sensibilidade aumenta muito se...

“Ui, ui se estimularem os peitinhos com gelo, se elas me deixarem assistir as duas...” Os pensamentos fervilhavam na cabeça de Gilmar Inácio.

- Se depilarmos...

“Ah sabia! Peladinha, lisinha, depilando uma a outra... Ahhh vizinha do 153!”

- O seu saco! – Emillyn Renata finalizou a frase como se apresentasse o projeto do ano a uma multinacional.

O marido engoliu a informação como uma bala de canhão. Queria gritar furioso se estava louca. Como ousava sugerir aquela tortura chinesa aos seus sagrados ovos. Querendo apunhalar parte da dupla que tanto a divertiu em outrora. Mas movido pela perplexidade silenciou.

Marchou resoluto para fora do quarto e seguiu direto para o computador. Pelo resto da noite Gilmar Inácio navegou em seu Orkut entrando em comunidades de que era contra ou odiava revistas femininas.

9 comentários:

Ari Meireles disse...

huahuahuahuahuahuahuahuahua
Ta certo, pq só nós?
rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs
Isso que é jogar um balde de agua fria neles.

Raphael Mendonça disse...

que maldade vizinha!!!

Juliana Aidar disse...

Pra variar ri mto aqui, os nomes, como sempre, mexicanos rs

Adoreiiiiiiiiii, eles deviam depilar tb né hahaha

beiJUcas

João M disse...

hahahahaha!!!!

Gilmar é um homi típico!

Beijão

Bomba disse...

Fiótinha...

Você reescrevendo piadinha e textinhos alheios...? tesc tesc


ps: com barbeador não dói!

erick disse...

nossa depilar o saco que crueldade aiiiiiiiiiiiiii

FÊ disse...

Ahhhh Gilmarzinho!!! Nem dói...rs

E vai ser bom pra você... acredite!...rsrs

Beijo Li!
;)

TONINHO SPESSOTO disse...

Vale tudo!!!
Sensacional!!!
Viva a depilação!!!
Beijo, Li!!!

Viini disse...

Depilar o saco é questão de higiene eu acho. Não depilar todo dia e tal... mas de vez em quando. Não precisa ser com cera... a gilete da conta. De qualquer forma as mulheres se sujeitam a sofrimentos dolorosos e corriqueiros para satisfazer os homens, acho justo uma "resposta". Enquanto a brincadeira permanecer em depilar o saco, pra mim tudo bem...
mto engraçado.