quarta-feira, 5 de setembro de 2012

VOU DE TAXI, (VO)CÊ (NÃO) SABE.

Essa história é minha, minha mesmo, que vem da situação: "aconteceu comigo". Por isso, não terá nome composto. Ou quase terá, pois teremos também o Ronisvaldo. E juro, é de verdade, este é o nome. Quase composto, certo?

Sabe uma situação que você nunca imagina passar? Pois então, ela acontece. Mais cedo ou mais tarde, de onde você menos espera, ela acontece.

Eu pedi um taxi (em uma companhia conhecida de taxi de São Paulo), ato corriqueiro para mim. Sou preguiçosa, adoro taxi! E logo recebi a mensagem no celular: "O seu motorista Ronisvaldo, já se encontra no local". Segui para o carro. E como procedimento normal, informei o local de destino. Após me ouvir, logo me questionou:

- Sua voz é sempre assim? - referindo-se a minha roquidão.

- Não, não é. - ri, já acostumada a pergunta. - Está assim devido a uma alergia.

- Nossa, alergia... Desculpa dizer, eu achei sexy.

Bom, este é o momento de que eu falava acima, coisas que acontecem quando você menos espera. E diante ao inesperado, apenas sorri.

- Mas é alergia, como rinite? - prosseguiu ele no papo. - Alergia a tapete, cortina...

- Isso, é rinite. Mas não tenho nada disso em casa, porque sei que faz mal.

- Nem cachorro ou gato?

- Nem isso.

Ele riu de canto de boca, me olhando pelo retrovisor, e arriscou-se:

- Nem cachorro de duas patas?

- Não, nem esse. - apesar que sabia que deveria mentir nesse momento, mas a verdade saiu mais rápido que eu pudesse controlar.

Sim, a pergunta já era o segundo atrevimento da noite, mas mal sabia eu que o pior ainda estava por vir.

Ele virou-se quase que assustado para trás, olhando-me desacreditado. E por um momento, o carro levemente desgovernou.

- Como pode?? Como assim? Isso é sério mesmo, você é solteira?

- Sou. - respondi com toda a paciência que Deus me abençoou.

- Não fala isso! Não posso acreditar! Você solteira, eu solteiro, assim fico com vontade de te agarrar aqui mesmo! - falou sem pausas e bastante eufórico.

Para tudo! Congela. Imagina. Crê? Pois então, difícil de acreditar, certo? Certo, não te tiro a razão... Eu sempre estou escrevendo histórias não é mesmo? Poderia estar inventando: "Ronisvaldo, o maníaco do taxi.". E é por isso, mesmo, por esta sua dúvida que eu já previa, eu comecei a gravar a conversa... Que em algum momento, alguém descobriria esta gravação e ficaria sabendo, que meu rim, foi levado por Ronisvaldo, o taxista.

- Para o carro. - falei entre os dentes.

- O que? Sério? Quer que eu pare?? Eu paro agora mesmo! - entendendo o que bem lhe convinha, que era, que eu estava enlouquecida por ele, e ao ouvi-lo dizer que iria me agarrar, desesperadamente pediria: "Pare o carro Honey, e me agarra então agora!".

Oh Ronisvaldo, meu filho, desce pra Terra, né queridão!

- Para o carro que é pra eu descer!!!! - falei bem séria.

Mentalmente o vi molhado por um balde de água fria.

- Não, Aline, desculpa. Desculpa minha espontainedade. Juro que não fiz por mal. É que é muito para mim acreditar que você é solteira. Até fiquei desnorteado agora.

- Você não tem GPS? Não há necessidade de ficarmos perdidos agora.

- Claro, não vamos ficar perdidos meu anjo, fica tranquila. Não se preocupa, que você não vai pagar mais do que o justo. Até mesmo porque, o dinheiro é o que menos me interessa agora. O que importa no momento, é a sua compania.

É, meu amigo-leitor, Ronisvaldo era guerreiro e não desistia nunca!

- Você é sempre tão carente assim com seus passageiros?

- Não, meu anjo, não é carência, e claro que não sou assim. Nem posso ser, mas não é todo dia que entra no meu taxi uma mulher tão atraente. Você me atraiu mesmo.

Neste momento, eu já estava rindo. Não tinha como! Era muito absurdo. E já que estava absurdo, podia piorar mais um pouco, não é? Ele começou a me descrever com detalhes, as séries de musculação dele. Como ele tinha facilidade para pegar músculo. E mandou um: "Posso ser seu personal trainner, se quiser." no meio da narrativa esportiva. No entanto, obviamente era mentira, que ele mesmo concluiu com:

- Por você, viro o que você quiser!

Entregou-me seu cartão, e ao ser perguntado se ele ficava em minha região, tive que ouvi-lo responder:

- Eu fico na sua porta, meu anjo, assim que você me chamar, eu vou estar na sua porta te esperando.

Perguntou? Toma, tem resposta.

Finalmente, chegamos ao meu destino. Ele reforçou ainda o pedido para ligar para ele sempre que eu precisasse de "qualquer" coisa. Que claramente, se implicava em além das habilidades taxista dele.

- Não esquece Aline, se precisar me chama. Vou estar na porta da sua casa, com uma bandeja cheia de bala de gengibre te esperando.

Balas de gengibre... Mereço?

O pior que essa semana peguei um que me chamou para um pagode... Mas bom, isso seria outra história...


PS: Não denunciei o Ronisvaldo para a cia de taxi com a minha gravação e nem penso fazer, afinal, ele me rendeu um post, e isso tem lá sua valia...

6 comentários:

Fernando "Orpheu" disse...

Não basta ser pobre. Tem que seduzir o taxista! Piloto de avião, que é bom...

Unknown disse...

Taximusa hehehe

JuMenina

Felipe "Dero" Silva disse...

Máqueputariaéessaaaa!!!!

Ari Meireles disse...

kkkkk....voce e a mãe passam por cada um ....
Fala sério! Vc marcou o numero do taxi tb, né?

Andrea Bores disse...

Isso é porque você não ouviu ainda as minhas histórias de GOL - Grande ônibus lotado de Recife meu amór!

Chico disse...

Me passa o telefone do Ronisvaldo?? :-)