quarta-feira, 3 de junho de 2009

.


 MAIS UMA HISTÓRIA DE UM (NÃO) AMOR.

Mesma turma de amigos. Alguma simpatia instantânea. Um tempo ocioso. “Deixem que digam , que pensem que falem , deixa isso prá lá, vem pra cá, o que quê tem?”. Vânia Tatiana e Jason Aldo não tiveram uma paixão fulminante a primeira vista, apenas se deixaram levar pela leve brisa que corria por ali.

Oportunos ao momento decidiram ficar juntos. Vânia Tatiana por uma maré de maus acontecimentos sentia-se carente e frágil, logo a companhia dele veio a calhar.

Por um outro lado, ele, Jason Aldo, vinha de uma término de relacionamento duradouro e complicado. O aparecimento dela em sua vida veio a calhar tão quanto para Vânia Tatiana.

Juntos riram de muitas coisas. Apoiaram-se nas lágrimas. Passearam, assim como,  também viveram a rotina de uma casa. Dividiram sonhos, anseios e medos. Dividiram também algum passado e até mesmo arriscaram planejar algum futuro.

Tudo ia bem, isso se toda história não houvesse “porém”... Porém não se amavam. Porém existiam ligações do passado que os mantinham presos. Porém era mais amizade do que relacionamento. Porém eram criações diferentes. Porém eram naturezas desiguais...

E mesmo tudo parecendo ir bem, em um dia comum, com a rotina comum do casal... Vânia Tatiana recebeu algumas mensagens e telefonemas de Jason Aldo como de costume, mas um destes telefonemas a deixou em alerta. Ele com um tom de voz que ela nunca ouvira pediu para que pudessem conversar a noite.

Naquele dia Vânia Tatiana até foi mais cedo para casa e já o encontrou no portão de seu prédio. Jason Aldo sem muitas justificativas e em poucas palavras proferiu o fim. Assim, como tratamento de choque. Sem que desse a ela tempo de digerir a informação. Sem que desse a ela a oportunidade de lutar pelo direito do “por quê”.

Jason Aldo decidiu por bem terminar antes mesmo que todos os “porém”dominassem a relação. Vânia Tatiana decidiu por mal eliminar assim ele de sua vida.

Jason Aldo decidiu por mal uma maneira ruim de comunicar a ela seus pensamentos. Vânia Tatiana decidiu por bem manter a amizade com a família dele. 

Jason Aldo decidiu por bem justificar-se aos amigos mais próximos. Vânia Tatiana decidiu por mal contar a todos como se deu o fim.

Eram duas versões diferentes de um mesmo relacionamento. Eram duas interpretações de um fim. Não havia alguém 100% vitima, vilão ou correto. Porque assim era a vida: é o que tem para ser. Nem tudo se explica, algumas coisas apenas se engolem. Porque lá na frente o mais obvio será explicito: de toda experiência sempre haverá um (ou mais) aprendizado...



6 comentários:

Ari Meireles disse...

Ta ai algo difícil, morar junto, hj por acaso estava comentando com minha cunhada como isso é complicado, pq na opinião dela é uma relação sem base sem compromisso e ai pode acontecer isso e na realidade no primeiro obstaculo vai embora. Eu ja acho q ha casos e casos, e tem alguns que se fortalecem e crescem junto como um casal e acabam casando. Mas ultimamente não to vendo mais essa maturidade acontecer, to vendo mais oba oba vamos morar junto e depois de tudo pronto "ah cansei de vc vou embora", "achei outra pessoa", "descobri q não te amo tanto assim"...pra mim isso mostra q o compromisso , a palavra do ser humano ta cada vez mais fraca, q eles não acreditam nem neles qto mais em um casal...e isso é muito triste.

Ari Meireles disse...

Agora esse Jason Aldo q filha da .... pô assim sem mais nem menos, da tchau e larga tudo como se ela fosse um objeto e ele jogou ali na sarjeta como papel amassado, um lixo.
Kra merece o premio do ano de mal caráter.

Ariane disse...

Relacionamentos hoje em dia....como ta complicado isso....liberdade demais, libertinagem em excesso e falta de compromisso.
Como formar um casal diante dos modernidos da sociedade de hoje em dia?
É acho que tenho uma opinião moralista a este respeito mas pra assumir um relacionamento tem que ter peito, tem que ter vontade e, principalmente, assumir que o que sente....quem sabe assim da certo.

Juliana Aidar disse...

Passei por algo parecido, a insistência de quer estar junto, de ter um relacionamento sério, quando acontece, pula fora, vai entender

beiJUcas

edison disse...

Textos poeticos mencionando casos de "não amor" são inumeros.Cada um no entanto tem sua caracteristica. Neste caso , eu quero mencionar outro detalhe, que na real é uma especialidade da Li.Os nomes das personagens sãO RIGOROSAMENTE inequivocos.

Frederico Fulvio disse...

Ainda não li toda sua página, mas vendo o final dela, percebi a maturidade especial desenvolvida por vc. A vida é assim mesmo, não existe um vilão e sim dois lados, pessoas que tentam acertar de alguma forma e, muitas vezes não conseguem ver o alcance e grau de destruição do que podem ocasionar, mas tudo, no fim, dá certo. Um forte abraço e um beijo carinhoso.