quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010


DIREITOS FEMINISTAS DE UMA MULHERZINHA.

Regildenia Alexandra era fervorosa em seu discurso “feminista”. A noite estava gostosa, a cerveja gelada e comphania da amiga estavam bastante agradáveis. Por isso o papo corria solto.

- Ah Norma Elisa, veja que absurdo! Você já viu o
http://www.salariometro.sp.gov.br/ ? Lá pude ver que um homem na minha profissão ganha 14,00 a mais! Agora me diga por que!!!?? Ele gasta R$ 14,00 reais a mais no supermercado que eu? Claro que não, nós mulheres temos necessidades maiores que a dos homens. Homens são sempre “tanto faz quanto tanto fez.”

- Ai Dênia, desde que o mundo é mundo é assim que funciona. Homens são protegidos.

- E isso justifica? Desde que o mundo é mundo bla bla bla. Temos que mudar isso! Temos que lutar por nossos direitos. Quero tornar-me igual!

- E o medo de barata?

- Ah?

- Ah vá, você não tem medo de barata Sweet? Direitos iguais a fará ter que matar baratas. Direitos iguais a fará trocar lâmpada e a resistência do chuveiro. Abrir latas de palmito, por vamos combinar né, latas de palmito tem a tecnologia de Penitenciaria de Segurança máxima.

- Norma Elisa.

- Oi?

- Como você é pequena! Eu estou falando de coisas muito maiores! De conquistas profissionais. De globalização. De estar lado a lado com os homens no mercado competitivo.

- Ih Deninha, my honey, ainda bem que você tem peito pequeno né, porque se for começar queimar sutiã em praça pública, eles não lhe farão falta.

- É por isso que não vamos para frente, por causa de mulheres acomodadas como você. É por sua causa que ganho R$ 14,00 a menos!

- Minha causa? Nossa, pirou de vez, já pensou em usar algum tarja preta?

- Ta vendo, você é consumida pelo vírus masculino, que acha que eles estão certos aonde estão. E que as mulheres tem mesmo é que se ferrar, sendo profissionais, mães, esposas, donas de casa e sabe-se Deus mais o que.

- Eu disse isso?

- Praticamente! Mas enfim, tenho que ir embora, Jorge Lucio vai me levar pra jantar num restaurante caríssimo amanhã, quero ver se hoje ainda faço unha, hidratação no cabelo.

- Ué e nessa história de mulherzinha de dia de princesa, você o ajudará pagar a conta?

- Claro que não! A conta é dele obviamente.

- Ah ta, você não poderia certo? Afinal em seu orçamento tem um rombo de R$ 14,00 a menos...

4 comentários:

João M disse...

Direitos iguais, ora pois... hehehe...
Beijos

Ariane disse...

Direitos iguais em muita coisa tem que ser mesmo mas na hora de matar a barata eu sou submissa ate morreeerrrr!

Ari Meireles disse...

hahaha...não sei bem se ela ta mesmo querendo direitos iguais, vou ler de novo

Juliana Aidar disse...

Na verdade, mulher merecia ganhar mais os homens, pq além de trabalhar fora de casa, trabalha dentro também

Como sempre, adorei os nomes

beIJUcas

PS: antes mega atrasada, do que nunca, me atualizando na cabana